ATIVISMO NAS ESCOLAS

A Amnistia Internacional, em todo o mundo e em Portugal, conta com o contributo inestimável de milhares de membros, apoiantes e ativistas que, todos os dias atuam em defesa dos direitos humanos. Em Portugal estas pessoas organizam-se em estruturas operacionais e cada estrutura expressa o seu ativismo de forma diferente: organizam e educam as suas comunidades, fazem campanha para o apoio e libertação imediata de prisioneiros de consciência e outros indivíduos em risco, exigem o fim das práticas de tortura, a abolição da pena de morte ou ainda a prevenção da violência contra as mulheres, promovem ações digitais e juntam ainda mais pessoas à luta para os direitos humanos.

Também numa comunidade escolar é possível criar um grupo de ativistas, composto por estudantes, docentes, pessoal não docente, pais e encarregados de educação. Na Amnistia Internacional Portugal trabalhamos com dois formatos de ativismo coletivo em contexto escolar, os Grupos de Estudantes da Amnistia Internacional, em escolas e universidades e os Clubes de Direitos Humanos. Estas são as suas principais características:

Quer os grupos de estudantes, quer os clubes de direitos humanos são espaços de ativismo, mas também de aprendizagem para os direitos humanos. Os debates e a análise dos casos propostos pela Amnistia podem ser levados também para aulas de disciplinas como História, Geografia, Filosofia, Português ou outras.

Se quiseres tomar a iniciativa de criar um grupo na tua escola basta seguir estes passos, dar uma vista de olhos a este manual e entrar em contacto connosco aqui.


Também é possível fazer ativismo individual, por exemplo juntando-te à Rede de Ações Urgentes ou tornando-te membro ou apoiante.